Distribuição de Espessuras na Rotomoldagem

Distribuição de espessuras na Rotomoldagem
 A distribuição de espessuras nas peças rotomoldadas é influenciada principalmente por dois fatores, que definirão a deposição de material resultante em cada ponto da peça:

1) Tempo de contato entre o material e o molde

O movimento do material dentro do molde de Rotomoldagem é bastante complexo devido à combinação de rotações. Para produtos com forma geométrica mais simples, é possível compreender o fluxo interno e ajustar as rotações de modo a exercer melhor controle sobre a distribuição das espessuras. Porém, formas mais complexas dificultam esta análise e muitas vezes fazem com que o ajuste de processo seja feito através de métodos empíricos, baseados na observação dos resultados e muitas vezes testando o resultado de mudanças aleatórias.

A velocidade do fluxo de material, que pode variar muito de acordo com as características das partículas do pó, também interfere na distribuição de espessuras. Materiais com maior velocidade de fluxo chegam mais rapidamente nas regiões mais baixas do molde e lá permanecem até que a inclinação do molde seja suficiente para que o fluxo prossiga. É preciso ter em mente que o fator a ser considerado não é o número de vezes que o fluxo passa sobre determinada região, mas a somatória do tempo em que o material permanece em contato com o molde durante a fase de deposição.

2) Temperatura da superfície interna do molde

Mesmo nas máquinas mais modernas, com circulação de ar otimizada, sabemos que o molde estará mais quente em algumas regiões que em outras, especialmente devido à geometria da peça. Para contornar este problema, é comum vermos chapas de aço fixadas na estrutura do molde para inibir a transferência de calor e reduzir a espessura nestas regiões, como mostram os exemplos da figura 1:

Isolamento térmico de regiões do molde

Figura 1: Isolamento térmico de regiões do molde

Outro recurso para controlar a distribuição de espessuras é através do aquecimento das regiões mais frias do molde. Para isso, são usados sopradores de ar especiais, alimentados por ar comprimido para gerar, por efeito termodinâmico, um fluxo de ar quente do ambiente (forno) direcionado para as regiões desejadas. Entretanto, o uso deste recurso requer que a máquina de Rotomoldagem seja equipada com circulação de ar comprimido na estrutura de fixação dos moldes (braço).

A montagem típica desses sopradores de ar é mostrada na imagem 2:

Figura 2: Aplicação de sopradores de calor.

 

A C6 Rotomoldagem desenvolveu especificamente para a Rotomoldagem um modelo de soprador de alta performance. Veja aqui um vídeo deste nosso novo produto. Para maiores informações, entre em contato conosco pelo contato@c6rotomoldagem.com.br.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar da discussão?
Sinta-se à vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *